Translate

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Autoentrevista com escritor da Amazon e do Widbook - Parte 2


Paulista – o que é afinal o Widbook?

Paulo Araujo – O Widbook é uma plataforma para escritores e leitores compartilharem as criações literárias. Se você tem um romance, um conto, uma peça teatral, um roteiro de cinema, seja o que for, ali é o lugar ideal para a publicação. Tudo é gratuito. Se você é escritor, e quando eu falo escritor, não quero dizer um profissional, pois escritor é todo aquele que escreve, não pode ficar de fora.  Como todo escritor é, forçosamente, um leitor, o círculo se fecha. O Widbook, para mim, é uma rede social da cultura porque todo mundo pode escrever, ler, comentar, ouvir comentários e até fazer novos amigos no Brasil e no mundo.

Paulista – E o que você tem publicado no Widbook?

Paulo Araujo – além dos dois livros que já citei, os quais estão na categoria de amostra (só os primeiros capítulos) porque já estão sendo vendidos na Amazon, tenho o Imensidão Azul – reflexões do Paulista em Marataízes, uma coletânea de crônicas postadas aqui no Blog do Paulista, de 2005 a 2010 e que também está em vias de ir para a Amazon; uma texto teatral Mulher, capital de risco, baseada na novela “O curioso impertinente”, contada dentro do primeiro volume do romance “Don Quijote de La Mancha”, de Miguel de Cervantes, publicado em 1605.

Paulista –você também é ilustrador, não é mesmo?

Paulo Araujo – Isso, o Paulí é a terceira parte da humaníssima trindade (Paulo Araujo, Paulista e Paulí). Nos livros O Mergulho do Paulista e Imensidão Azul existem várias ilustrações minhas, mas, o que mais gosto é ilustrar livros infantis. Tenho dois no Widbook, Lucas & Léo, amigos pra dedéu e The Amazing Brothers, que é a versão em inglês do Lucas & Léo. Estou preparando as ilustrações de mais um, chamado Leonel não viu a Copa.

Paulista – se foi esta Copa, foi melhor mesmo ele não ter visto...

Paulo Araujo – Não, é um projeto antigo, tive a ideia durante a Copa de 2006. De lá pra cá já fiz várias alterações e agora achei o formato ideal. O texto já está acertado, estou trabalhando nas ilustrações. Logo mais vai estar no Widbook.

Paulista – você parece usar o Widbook como um meio de divulgação do seu trabalho para, posteriormente, colocá-lo à venda.

Paulo Araujo – Não só isso. O Widbook possibilita a nós, escritores, termos um contato direto com nosso leitor, recebemos seus comentários, trocamos ideias e isso facilita o nosso constante trabalho de revisão e melhoria dos textos. A intenção é não ficar apenas na Amazon e no livro digital. Todo escritor deseja ter seu livro impresso e eu não sou diferente, sei que minha hora vai chegar. Enquanto isso, vou produzindo meus livros da forma que quero. Mulher, capital de risco, por exemplo, pretendo lançar simultaneamente na Amazon e na Saraiva, com um preço bem simbólico.

Paulista – e as vendas como vão?

Paulo Araujo – partindo do princípio de que eu não tenho um coelho depois do Paulo, elas estão tentando decolar. Existe, eu acho, uma inversão de prioridades na cabeça do leitor brasileiro, ou seja, as pessoas correm para comprar livros de autores consagrados, justamente quando eles já estão com a vida ganha e podem viver apenas da literatura; já os que estão começando, mesmo que tenham um trabalho muitas vezes superior (não estou insinuando que seja o meu caso) a muitos best sellers ou ‘costas quentes’ de emissoras de televisão, dependem das vendas para sonhar com uma carreira literária e precisam fazer sua própria divulgação nas redes sociais, no boca a boca, nas mais variadas formas para chamar a atenção desse leitor e, principalmente, vender. Digo isso porque uso muito as redes sociais e tenho recebido centenas, milhares de curtidas, compartilhamentos, parabéns, incentivos. Puxa, tudo isso é muito gratificante, mas não paga minhas contas!

Paulista – isso é um desabafo?

Paulo Araujo – não, apenas uma constatação. Não falo só por mim, tenho lido muita coisa boa no Widbook, de pessoas jovens que têm muito talento, alguns também já têm livros lançados, tanto digital quanto impresso. Se a questão fosse o preço, tudo bem, mas o que você compra hoje com R$ 8,00? Teve muita gente que pagou mais de R$ 1.000,00 para ver o Brasil levar 7 a 1 da Alemanha!

Paulista – com essa, ficamos por aqui. Obrigado pela sua presença e sucesso na sua caminhada.

Paulo Araujo – eu é que agradeço esta auto-oportunidade!


Um comentário:

Nina Reis disse...

Adorei a auto entrevista!
Ótima iniciativa criativa! É muito interessante ler o Paulista entrevistando o Paulo!!!
Parabéns e muito mais sucesso!