Translate

segunda-feira, 9 de março de 2015

Escrever é preciso

Fiquei sabendo que o Woody Allen está escrevendo o roteiro de uma série para o Netflix. O bizarro é que ele tem a mania de datilografar todos os seus textos porque tem ojeriza por computadores. Por causa disso ele acaba utilizando auxiliares para escrever as alterações de textos em tiras de papel que depois são coladas nas folhas datilografadas. Uma tremenda mão de obra desnecessária, mas é o Woody Allen!

Muitos escritores têm essa mania de sacralizar a máquina de escrever e a caneta e endemoniar o computador. Ainda bem que não faço parte dessa turma! Até já encontrei a maneira mais prática de escrever: o celular. Agora mesmo estou escrevendo este artigo sentado na cama com as costas apoiadas em dois travesseiros e no encosto da cama. Maravilha! Principalmente porque venho sofrendo de fortes dores na região lombar, o que dificulta e muito o hábito de fazer isso no meu escritório, sentado na cadeira tradicional. Trazer o notebook para o quarto é uma opção, mas não é a mesma coisa. Por mais leve que seja, o notebook é pesado em comparação com um smartphone. Então, viva o smartphone!

No dia 26 de novembro de 2014 comecei a escrever mais um romance, sabe onde? No laboratório Lavoisier do Shopping Interlagos. Estava aguardando ser atendido para realizar um teste ergométrico e me veio a inspiração. Não tive dúvidas, peguei meu celular e comecei a escrever a história que começa justamente em um laboratório onde a personagem principal vai fazer um teste ergométrico. De lá para cá não parei mais, já escrevi vinte capítulos, quase 30.000 palavras. Acho que 80% disso foi digitado no celular enquanto estava em casa, em consultórios, em shoppings ou em qualquer lugar onde tinha de esperar, até mesmo dentro de ônibus. Vou levar ainda um bom tempo escrevendo o livro e estou muito confiante porque ele terá uma série de inovações, mas ainda é segredo. 

Por que eu escrevo? Porque gosto, me faz bem, não sei ficar sem escrever. Tenho este blog desde 2007. Com esta, já são 132 postagens. Isso não quer dizer que eu escreva aqui com muita regularidade. Este ano estou me dedicando mais à literatura, mas os resultados não vão aparecer a curto prazo. Tenho vários projetos e estou trabalhando neles. O legal é que, ao contrário do que eu pensava, o celular está me ajudando demais a tocar esses projetos. Viva a tecnologia!


Um comentário:

Marcia Almeida disse...

Bom texto, Pauli! Gostei muito, parabéns!!